Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

a m o r o s a m e n t e

Talvez sinta demais, mas se não fosse assim perdia a graça.

a m o r o s a m e n t e

Talvez sinta demais, mas se não fosse assim perdia a graça.

Qua | 09.10.19

Eu não te quis largar.

Helena Alegria

Naquele momento fechei os olhos com toda a força possível em mim. Tudo em mim chorou naquele momento. Tudo em mim escasseava de coragem para te largar. Não te queria largar. Ainda hoje dói. Dói tanto. E a ti? Quanto de ti sangrou?

Sofro de insónias desde então. A ansiedade por te ter de largar é maior hoje do que alguma vez foi. Acordo suada e com falta de ar. Tiraram-me tudo. Tiraram-me o chão. Tiraram-me de nós. Diz-me que te dói tanto quanto dói em mim!

De todos os nossos momentos nunca nenhum foi tão trágico. O início do fim. O dia em que tudo mudou. O abraço que mais nos separou.

Um mero abraço.

Nunca pensei que um abraço tivesse tanto poder. Um abraço entre afetos e palavras ternas... Ainda hoje ressoam no meu ouvido. Pergunto-me se alguma vez encontrarei melodia tão bonita quanto aquela.

Foram meses, semanas em queda, até tudo virar pó. Não suporto este vazio no teu lugar... O lado da cama sempre intacto, o lugar à mesa sempre por ocupar, o canto do sofá gelado desde que o deixaste.

Não era para ser. Não era para ser! Digo-me vezes sem conta na esperança de vir a crer. Procuro aquele conforto em todos os cantos mas em nenhum te encontro; o teu timbre em todas as palavras mas só o silêncio preenche os nossos cantos.

Naquele abraço o meu mundo deu voltas. Porque quando te larguei tudo mudou. E eu gostava de não te ter largado. Nunca tive tanta vontade de um abraço como quando naquele verão, envolvida nos teus braços. E se não fossem as tuas ternuras não teria doído tanto... Hoje não procurava as palavras certas, as tuas palavras, em todos os lares e arredores.

Perdi o meu lar que eras tu.

Perdi-me em ilusões de nós em universos que não chegam cá.

Nunca pensei ser capaz de encontrar tantas cores numa tela por estrear.

Acho que naquele abraço que jamais poderei definir, no meio do afeto e saudades sem fim, todos os meus sonhos atingiram o seu auge. E foi sim o início do fim. Porque eu entreguei-te os meus devaneios sem olhar para trás. E doeu tanto que ainda hoje a minha alma está por sarar... Eras demais para mim, e no momento errado não há certo que vença.

Pergunto-me se por outros planetas a nossa narrativa foi outra. Mas neste, só procuro por mais afetos assim. Procuro as almas que perdi noutras vidas, e espero que elas me recebam de volta tão bem quanto tu... Na verdade, procuro mais abraços de ti.