Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

a m o r o s a m e n t e

Talvez sinta demais, mas se não fosse assim perdia a graça.

a m o r o s a m e n t e

Talvez sinta demais, mas se não fosse assim perdia a graça.

Qui | 03.10.19

Queria ter te abraçado.

Helena Alegria

Ando em círculos. Corredores infinitos decorados por cómodas onde pousam retratos. Todos têm o teu rosto, todos me relembram de algum detalhe que nada mais foi além disso. Algo pequeno e discreto ao qual ninguém daria importância. Mas aparentemente eu dei…

Lembro-me tanto de ti. Lembro-me muito de todos os dias maus, os dias onde a chuva parecia não ter fim, onde apenas o meu fim parecia eminente. Mas lembro-me muito mais dos dias de sol, onde havia esperança e alegria e o futuro parecia ter algo de bonito, como um jardim prestes a ser abraçado pela primavera. É o que mais gosto de lembrar, esses dias bons que por mim nunca teriam chance de acabar!

Mas a primavera para nós chegou em forma de tempestade… Lembro-me da primeira trovoada… Daquela época de transição… Ofereceste-me um abraço e eu rejeitei. Talvez os nossos caminhos já estivessem destinados a se separar. Pelo menos ali. E assim foi. Destruiu-me, mas assim foi.

Mas tu ofereceste-me um abraço…

Eu lembro-me tanto de me ofereceres esse abraço… Nesse dia eu não te abracei. Não te abracei porque já me doía ter de te largar. Eu sabia que as nossas vias eram separadas. Pelo menos ali.

Hoje, longe, ainda dói. Às vezes dói mais ainda. Noutras parece que tomei uma grande anestesia. Mas tu não sais de mim. Percorres o meu sangue, gota a gota, dentro de mim. Por vezes o amor é um veneno tóxico que se espalha por todo o sistema.

E de algum modo eu ainda tenho esperança… Que o tempo certo não fosse aquele mas que ainda esteja por chegar. Que os nossos caminhos se tenham afastado para quando se juntassem novamente nunca mais se largarem.

Gostava que o nosso abraço tivesse sido assim. Gostava que a minha esperança fizesse sentido algures neste universo incompreendido.

Acho que todas as noites adormeço deparando-me com todas essas molduras… Nunca te agarrei, mas de algum modo também não te largo. Observo cada foto, cada pequeno detalhe que me trouxe até aqui. E gosto de ti… Assim, nas mais pequenas coisas, do princípio até ao fim. Por isso é que digo… Deus queira que a minha esperança não seja em vão, e que não sejas só mais uma dor que guardarei no coração.