Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amorosamente

Meros pensamentos dramatizados em verso e em prosa

Amorosamente

Meros pensamentos dramatizados em verso e em prosa

Esta cidade tem o teu nome.

28.12.21 | H. Alegria | opinar
Esta cidade grita o teu nome. Cada rua tem uma letra tua. Cada janela, uma silhueta... Os cartazes esboçam o teu rosto e os estendais enchem-se da tua roupa… A moradia que sonhávamos comprar? Têm-te tatuado no seu pátio. A varanda onde (...)

Conheci o pior de ti.

21.12.21 | H. Alegria | notas (1)
Tenho tanto para te dizer. Não durmo nem de noite e nem de dia... Isso, ou o dia passa a correr. Ou não passa sequer! É um nó que tenho. No estômago, na garganta... Nos pés e na alma... Na consciência. Carregar uma culpa que não é (...)

There's a she.

04.11.21 | H. Alegria | opinar
There's a she, there's a she and I couldn't see. How could I be so blind to not see her there? Always in the same window and I, oblivous, did not see. I don't understand how we got here, how I got into this mess, how you allowed it to go that far. (...)

Só sei escrever sobre amor.

01.09.21 | H. Alegria | opinar
Só sei escrever sobre amor. Sobre as cartas que escrevi e sobre as que não escrevi. Sobre o que amei e o que não amei. Sobre tudo o que poderia ter amado. Sobre tudo o que ainda hei de amar... De facto amei pouco. Olho para o passado, para (...)

Lembrei-me de ti.

17.05.21 | H. Alegria | opinar
  Lembrei-me de ti. Lembrei-me de nós. Lembrei-me daquele sentimento, outrora tão puro... Lembrei-me de como te esqueci, e do quanto o fervor deste amor pintava isso de impossível... Esquecer-te. Realmente, a vida tem qualquer coisa de (...)

Talvez amar seja isto.

06.03.21 | H. Alegria | notas (5)
Há alturas em que nada faz o coração bater mais rápido. Deixa-mo-lo sossegado, como se numa gaveta estivesse arrumado, entregue à sua sorte a ganhar pó... E tudo bem. Mas por vezes abre-se a gaveta, e de lá transborda toda uma nostalgia. (...)

Às vezes não há nada a dizer

18.01.21 | H. Alegria | opinar
Às vezes não há nada a dizer Os dias ecoam pelo peito O vento suspira ao nosso leito E o vazio faz-se escrever As emoções, no entanto Transbordam A crueldade A desconfiança A insegurança E a esperança Quantas vezes, tantas vezes Arra (...)

Disco riscado.

29.09.20 | H. Alegria | opinar
Num milhão de músicas que ouvi em repetição como um disco riscado, nenhuma me diz nada. Por norma, os discos riscados têm o dom de se apoderar das minhas palavras. Releio os meus textos onde nada faz sentido, releio os textos ao tom do (...)